Em 1998 (e.v.), na cidade de Araraquara, V. A. Necrovisceral projeta sozinho suas armas contra a deturpação do individualismo e a proliferação das três maiores religiões monoteístas do mundo (judaísmo, cristianismo e islamismo). Anos mais tarde, em Porto Alegre, Necrovisceral consolida o caminho pelo qual a Torqverem criaria suas desesperadas composições. A primeira aparição ocorreu em 2005 (e.v.), em Santa Cruz do Sul (RS). No ano seguinte, já em São Paulo, o mentor da horda faz de suas recentes experiências pessoais os ingredientes para delimitar o foco dos trabalhos. E foi em função disso e da incorporação da violinista M. Necrolunna e do baterista Janvs Necrokramer que a Torqverem consolida, em 2008 (e.v.), o artefato “Funeral da Alma Cristã”. Logo após a gravação do opus, novas mudanças. Count Noctulius (ex-Corpse of Christ e Fortian Greymorning) assume o contrabaixo, substituindo o violino. A nova formação grava o “Vber Cruciatvs”. “O trio está fechado, e o verdadeiro metal negro é criado com liberdade e força”, assim decreta o espírito de Necrovisceral.

Saudações, V. A. Necrovisceral. Quero saber como está a divulgação do último trabalho da Torqverem. As opiniões do público são favoráveis?

- Saudações grande irmão. Ao longo do tempo mudei gradativamente a minha visão e as concepções de expressão que tinha na Torqverem (e até sobre o universo), e assim acabou por viabilizar-se o início dos registros para o mundo exterior. É relativamente "novo" gravar e expor os meus ideais e a arte, era algo muito particular em que não tinha ambição de fazer registros e divulgações. Tenho uma grande "dívida" em material, possuo vários hinos e gravações antigas mas todas sem a devida "oficialização", então depois de 2007 e.v. iniciei uma empreitada para mostrar meus materiais, e é esse o motivo de tantos lançamentos próximos. O exemplo da demo "Funeral da Alma Cristã" em 2008 e.v., foi um experimento em que utilizei o violino para dar uma atmosfera que ainda não possuía sem o contrabaixo, e finalmente em 2009 e.v., o já formado trio oficializou a grande maioria dos trabalhos que tinha criado em todos esses anos no álbum que será lançado esse ano, o "Vber Crvciatvs" (com 11 faixas e praticamente 70 minutos). Mas como seria o lançamento de materiais de praticamente 10 anos, achei que eu deveria compensar essa falta de material com uma outra "demo" equivalente ao "Funeral da Alma Cristã", mas de forma atual e condizente às mudanças que a ausência do violino nos trouxe, em que faço nos vocais as passagens atmosféricas por exemplo. Sinto essa "defasagem" em materiais da nossa parte, pois durante o ano de 2009 e.v. fizemos alguns eventos e celebrações para mostrar o que fazíamos, e sempre que questionado nunca tinha algo gravado para passar. Muitos guerreiros apreciam a expressão e a forma em que aplico minha filosofia no Metal Negro, e sinto que a receptividade está boa, pois ouço muito: "o som de vocês é muito original, não consigo dizer com qual banda exatamente se parece... Lembram várias ao mesmo tempo. É bem sincero e direto...", isso para mim é ótimo, pois está saindo diretamente das profundezas dos meus abismos, e não deveria se parecer com nada conhecido mesmo. Então estamos para lançar a demo-promo "Opvs Infernii" (já sem Covnt Noctvlivs no contrabaixo que acabou de sair, acabei gravando todos os instrumentos de corda e vocais), que irei disponibilizar para todos os aliados e guerreiros que desejam conhecer melhor minha luta e filosofia. Para em seguida lançar o álbum oficial e retomar a fazer alguma celebração. 

Qual é a visão de mundo da horda?

- O mundo "pode ser enxergado" de diversas formas, pois cada ser possui todo um universo dentro de si, mas grande parte dos exemplares não se dão conta de que possuem seus destinos e a energia da criação e destruição em suas mãos. Deixam como ovelhas para o mundo externo cuidar disso (nas mãos de um deus, ou em seus problemas e bloqueios psicológicos - mesmo eu achando que várias explicações de deus não deixam de ser problemas e lacunas psicológicas). Isso na minha opinião apenas evidencia a própria ausência de vida e da existência propriamente dita, a preguiça de viver e de ser responsável pelo ato gerado é uma doença dos fracos, e isso tudo é causado pelo ser humano que deixa a real humanidade tão distante que até mesmo os animais não os reconhecem. Tento deixar em nossos hinos e letras implícito o abismo que está sendo criado neste dito "ser humano", para deixá-lo face a face com ele mesmo sem suas defesas e alegorias religiosas de proteção debilmente adaptáveis, mas simplesmente com sua natureza corrosiva e o vazio interno que deixou abaixo do entorpecimento. A meta é atingir a evolução ou o caos... Corroer seus egos sujos, pois hoje em dia o mundo é praticamente feito de ego! Vejo pouca personalidade e atitude, e muito ego! A maioria dos guerreiros que ouviram nossos hinos relatam sentir desespero e dor em vários momentos, e digo que é a real essência humana sendo torturada e exigindo destruição para a renovação. Guerra é a chave dos fortes, guerra no sentido mais amplo que existe, paz é para quem não está preparado para lidar nem consigo mesmo e quer conforto no seu quarto e em orações vazias. Criei na Torqverem o sentido de "Misantropia Intelectual", que seria a maneira de lidar com o mundo externo apenas no necessário sem ser contaminado pelo câncer da sociedade e do paradigma de "ausência de responsabilidade", absorvendo e analisando a "realidade" de forma crítica a mantendo a evolução individual e a força interna. Acredito que tudo é feito de matéria e energia, portanto possuem uma vibração que podemos atingir de forma a harmonizar ou desarmonizar desde suas composições até seus campos magnéticos e etc... Então sempre utilizo destas ferramentas para manipular as áreas mais sutis tanto do mundo externo quanto interno nesta existência que tenho consciência para expressar nos hinos e composições da horda. 

A Torqverem é vista como apoiadora de concepções nacionalistas ou nazistas? Existe mesmo política na proposta de vocês?

- É engraçado como existe uma névoa que paira em nossa volta sobre este assunto. E o mais ridículo é ver que poucas pessoas realmente conversam diretamente comigo e me questionam. A maioria dos "seres" seguem o doce aroma anal do que está na frente e continua com a informação sem saberem de sua consistência. Na minha opinião são verdadeiros fracos que não possuem história ou força para fazerem algo realmente produtivo em suas existências e vivem nas costas dos outros tentando passarem a sujeira podre de seus corpos nos que ainda estão limpos (neste caso muitos adoram uma sujeira, e se fazem de "limpos"). Sou uma pessoa nacionalista e me orgulho disso, acredito que nosso meio poderia ser muito mais explorado em todos os seus aspectos e regiões, ainda somos muito fechados... Acho até legal cada região do país ter uma característica e seu orgulho local até pelo tamanho continental do Brasil, mas não com visão de exclusão, e sim de soma. Nunca tratei de assuntos políticos na Torqverem, acredito que a política é apenas um reflexo da maioria da população de um país, e uma forma de organizar o Estado para "facilitar" o direcionamento do poder público... E isso não tem nada a ver com Metal Negro, existem meios que já tratam de política em sua temática. Metal Negro vai muito além de política, vai na essência... Na existência e expressão humana, no oculto, na liberdade e na força! Então temas políticos seriam coisas muito superficiais para eu tratar, já que são reflexos do ser humano em sociedade. E eu os trato individualmente em sua criação... 

Como você explica as origens dessas informações?

- Resumidamente, estão concentradas em pouquíssimas pessoas... Mas que fizeram um barulho tão grande quanto o vazio de suas vidas e a falta do que fazer. Isso tudo veio de uma discussão pessoal ridícula, que mesmo sabendo da razão ser pequena tentei resolver diversas vezes e encontrei apenas limitação e tentativa de prestígio em cima de fofoca e intriga. Foi aí que percebi que algumas pessoas usam a "cena" do Metal Negro como "massa de manobra" para fins pessoais e manipulam pessoas mais suscetíveis para defenderem seus propósitos egoístas e infundados. Isso não me afeta, pois apenas evidencia quem abaixa a cabeça e diz "amém" cheirando a bunda do outro seguindo na fila da ignorância. Nazismo é apenas uma das histórias que saíram dessa "boca", já ouvi umas 4 versões de assuntos variados (já que o nazismo acabou não pegando muito, logo apareceram outras coisas). A maior deficiência no ser humano (e que acaba caindo no nosso meio) são pessoas que não têm o que fazer e também não tiram a bunda da cadeira pra fazerem merda nenhuma pra apoiarem a real guerra e levam uma vida medíocre, encostados nos outros e reclamando do que fazem e da própria existência, tentando diminuir o esforço e trabalho alheio, isso sim é cristão!!! Coisa de quem vai na missa e olha a roupa do outro que é mais arrumada, o peito da mulher do lado maior que o da sua... E não fazem bosta nenhuma deixando tudo nas mãos de ninguém amargando a passos dolorosos a vida que acaba passando como areia entre seus dedos sujos de sêmen. E o apoio na cena que tanto dizem que é honrada? O que estão fazendo? Essa é a honrada existência que possuem? Não é por isso que trabalho e expresso meus sinceros ideais! Em primeiro lugar é por mim mesmo, porque sem expressar tudo isso não seria eu! E ainda faço por poucos que acreditam realmente nessa guerra e trabalham com o sangue por isso, ignorando a merda e os fogos de artifício. Faço para produzir e somar com quem luta! E não para diminuir quem eu não gosto ou não apóio, pensar assim é uma prova da falta de raciocínio e perspectiva. Mas o que me importa nisso é que consegui tirar muita coisa positiva, pois fechei vários círculos de irmandade e fiz aliados que ficaram acima dessa sujeira e enxergaram o que sou, e não usaram seus abismos buscando por explicações externas de suas frustrações pessoais e sexuais... 

O Black metal de hoje em dia está mais ousado em relação às suas origens?

- Acredito que não, muitas "hordas", bandas e pessoas do "movimento" se portam como qualquer outro popular. Ao mesmo tempo em que no início o Metal Negro foi muito impactante e fiel, ao longo do tempo a atitude dos "guerreiros" na cena foi se perdendo até por alguns comportamentos que se satirizaram e pela popularização do gênero. Não vou generalizar, mas muitas pessoas "brotam" dizendo adorar "Satã" por identificarem-se com ele por ser o opositor, e na realidade estão cheios de perturbações, e acabam por serem os primeiros a terem atitudes ou virarem cristãos em seus momentos de depressão. Mas pensar nisso apenas é uma visão superficial do Metal Negro que acabou por poluir nosso exército, tenho uma noção da oculta guerra que vai muito além e faço minha parte sem dar tanto valor a esta escórea. Vejo muitos exemplares vivos que até tentam participar de alguma forma, mas mostram-se fracos, e no dia-a-dia sucumbem às ditaduras medíocres (não estou aqui dizendo que não devemos viver em sociedade, ou não termos um trabalho - muito pelo contrário! Acho que temos que expor nossa existência e filosofia sabiamente, e mostrar que não concordamos com vários dos pensamentos atuais, sem abaixar a cabeça ou aceitar ataques vazios, esse e o início da verdadeira guerra! Fico indignado de ver que muitos são "ativos" só quando estão em seus grupos). Do que adianta apoiar nossa "cena" apenas indo na celebração? Isso é o mínimo! Metal Negro é um ideal de vida! É uma luta diária... Não é uma roupa que se pode vestir ou não. Somos a elite, buscamos a destruição da fraqueza e a guerra para a liberdade da força do Humano Ser que através das ocultas sombras rangem seus dentes sedentos de sangue pelo grande vôo do anjo negro!!! Por natureza possuímos a chave do Espírito e da Carne! E devemos usá-la! Faço várias parcerias e tento manter uma rede fiel entre os que apóiam meu ideal, passando adiante essa filosofia para que futuramente venham a existir verdadeiras cooperativas, onde não precisaremos de mais nada que venha de mãos sujas de quem não possui honra. Sem apoio e união nunca vamos chegar na meta que tanto desejamos! Que é uma verdadeira guerra!!!! 

A existência de parasitas dentro do movimento preocupa a horda?

- Sinceramente não me preocupam, porque sou muito direcionado em meus ideais e meus próprios afazeres. Acredito que a força dos verdadeiros guerreiros que lutam com o sangue dentro desse nobre ideal sempre permanecerá fiel e de pé perante o universo. Muito diferente dos que caem perante suas próprias palavras vazias, e escorregam no estrume que escorre de suas tão belas bocas. Mas tudo tem limite, é a lei do mais forte... 

Você acredita que blasfemar seja o meio mais eficaz para extirpar a religião do seio dos homens?

- Acredito que é uma das formas de expressar o ódio pelo cristianismo e as religiões dominantes,  então toda forma de ataque é válida. Mas antes da religião vem o homem, então concluo que se milhões de seres não aceitassem e se submetessem a tal depreciação chegando na ausência de discernimento, as coisas seriam diferentes. O problema é que o ser humano possui um mal que a religião explora, que é uma lacuna natural que se manifesta em diversos sentimentos e comportamentos naturais humanos, mas acabam abordando de forma a trazerem resultados como a  preguiça e o desejo em ausentar-se de suas responsabilidades e da existência perante as leis do universo (como se pudessem escolher tal proeza voluntariamente... Podem não enxergar, mas fazem parte das "leis" do universo). Então acho que mais profundamente do que blasfemar é você atacar o Ego do homem, sua essência e as concepções de falso moralismo e suas falsas noções de conforto, pois a ausência de realidade e o entorpecimento da mente estão criando um homem  débil e ausente de seu espaço no universo, literalmente como ovelhas para o abate... Exércitos prontos para serem exterminados. 

Necrovisceral, você ficou revoltado com o cancelamento da quinta edição da Celebração nos Bosques de Satã, programado para ocorrer no dia 23 de março? O que aconteceu?

- Sim, era uma celebração em que tocaríamos com os guerreiros do Black Angel em Joinville, mas houve um ataque verbal que não sabemos ao certo de onde saiu (na proporção de traidores e falsos que temos dentro da própria "cena", não me surpreenderia se tivesse saído "de dentro" a denúncia...). Fiquei sabendo que denunciaram as bandas participantes da celebração de terem a prática de fazerem rituais humanos e que lá teriam sacrifícios... E o evento foi lacrado pela Polícia Federal, e um delegado local entrou no meio bloqueando qualquer tipo de evento com o nome do festival e que não "deixaria passar" mais nada. Escrevi um manifesto sobre isso porque não faz sentido existir o título de Estado "laico" no Brasil, onde a justiça cegamente coloca a mão de deus para aplicar suas leis! Depois ficamos sabendo que o delegado era evangélico, e a coisa era maior do que imaginávamos... Então isso é uma verdadeira guerra! E temos que continuar fiéis a nossos ideais, além de programar ações e evoluir o pensamento do nosso exército (que ainda perde muito tempo e energia com assuntos cotidianos e pessoais sem direção), ou isso é uma guerra ou não. Como já comentei em outra questão, Metal Negro não é algo que se vive apenas indo em celebrações e conhecendo bandas... É uma postura para toda a vida, se não nasceu para isso está forçando ser o que não é... Converso nas celebrações e fora delas com vários guerreiros e vejo a postura de cada um, e posso dizer que vários dos "anônimos" são os que mais estão produzindo e criando novas formas de expressar o ódio e a criação que possuímos individualmente. 

Gostaria que você falasse sobre suas atividades como organizador de eventos.

- Sim, mas para falar a verdade não sou um "organizador", apenas ajudo as hordas e a cena onde acho que posso. Não ganho nenhum dinheiro ou retorno com isso, pra mim não tem preço você chegar em uma celebração e ver os aliados unidos por uma causa e apoiando a filosofia que ainda se mantém de pé, celebrando com muito álcool e fortalecendo principalmente a meta do Metal Negro, que é exaltar a liberdade e a força através do ocultismo. Mas nisso tudo ainda encontro dificuldade exatamente nas limitações e na falta de espaço para poder fazer mais, além de ver muita teimosia e resistência de outros "organizadores" que acham que isso pode se tornar uma competição... Esses sim são "organizadores" e "trabalham" com  "bandas". Gosto muito de fazer parcerias e me aliar para fazer as celebrações,  onde cada um entra com o que tem (Como em uma ocasião entrei com os equipamentos, por exemplo... Em outra com o espaço,  senão todo mundo fica na minha casa para não pagar hotel, etc... Até já coloquei um ônibus que veio de Belo Horizonte dentro da minha casa na celebração do retorno do Defacer. A amizade que criei com todos e o círculo que foi criado foi formidável. A mesma coisa com o Malkuth... Todos estão ligados independentes da distância), assim é muito mais viável das coisas acontecerem no nosso meio underground. Por isso me procuram para ajudar nas celebrações, e farei o que puder. Mas não como "organizador" propriamente dito, e sim como um aliado do mesmo exército. 

Suas considerações finais, por favor.

- Primeiramente gostaria de agradecer pelo espaço para expressar um pouco de minhas idéias e filosofia, principalmente agora que inicio a empreitada de divulgação do meu antigo projeto e agora horda Torqverem. Quero aqui expressar também meu ódio a todos que tentam de alguma forma denegrir ou manchar a honra do Metal Negro ou da minha horda sem a conhecerem! Se não gostarem de mim, das idéias ou do som é uma coisa, mas atacarem meu ideal de vida sem saberem da história e real temática da Torqverem ou os meios que construo a cada dia para chegar nas produções, mostram os fracos que deveriam estar na igreja fofocando com seus irmãos de rebanho! Fiquei sabendo de pessoas que nem ao menos ouviram meu som e já "sabem" quem eu sou por problema mental alheio. Metal Negro não é isso! Em seu ideal era para ser um espaço feito para a elite e os guerreiros mais fortes, e não um "canteiro de obras" para pessoas com problemas ou perdidas. Deixemos essa perturbação fora de nossa cena! Cena que deve ser exaltada com radicalismo e ser protegida! Real radicalismo, e não ignorância perdida e atitudes desesperadas de jardim de infância. Ataquemos os ignorantes com sua própria ignorância! Não existe maior dor do que o ignorante ver seu vazio interno, e esse é o estigma do religioso cristão, judeu e de todas as formas de idéias que pregam a preguiça espiritual e mental e que visam apenas o teocentrismo e a masturbação do ego vazio. Liberdade aos fortes de espírito! E ocultas blasfêmias aos reais apreciadores da noite e seus prazeres. Sempre firme na Guerra, com Honra e Sangue!