1: Hail irmão, nos fale da trajetória da horda desde a fundação até hoje.
V. A. Necrovisceral - Saudações Drakkon! As primeiras expressões, posso dizer que começaram na cidade de Araraquara-SP comigo quando o projeto ainda não possuía nome. Efetuava algumas gravações rústicas e produzia textos que futuramente se transformaram na Torqverem (por volta do ano de 1998-1999 e.v.). Depois acabei finalmente integrando a teoria que possuía com a prática da experiência que adquiri em Porto Alegre-RS quando comecei realmente a expressar meus ideais (por volta de 2002-2003 e.v) e cheguei até a apresentar o projeto em uma celebração nas florestas da colônia de Santa Cruz do Sul-RS (2005 e.v.). Na época o Metal Negro que produzia na Torqverem era como uma arma que queria usar em todos os religiosos... Expressava de uma  forma mais agressiva e violenta o tema apenas para atacar a religião, expressando a repugnância ao mundo fraco que não me fazia sentido e falando das experiências ocultas que praticava. Finalmente em Sousas-SP (2007e.v.) quando a Torqverem tomou o formato que tem hoje (e se consolidou como horda), muita coisa tinha passado desde seu início, e percebi que o problema que queria atacar na humanidade não era a religiosidade em si, e sim o ser humano que a aceita e sua ignorância. A religião, e em especial a igreja são fortes por existirem milhões de pessoas que sustentam a mesma (mesmo com sua idéia de fraqueza... Masturbando um frágil ego de suas ovelhas e mostrando um falso "senhor" piedoso), assim como uma massa ignorante que mesmo fora da igreja é preguiçosa e segue fazendo as mesmas coisas. Então resolvi expressar com a atual horda a destruição da coletividade e da ignorância humana (literalmente a preguiça de existir e de ser responsável por seus atos), trazendo assim a reflexão individual... Porque até dentro do nosso honrado Metal Negro possuímos ovelhas sujas batendo no peito que são anticristãos, mas são os primeiros a tomarem atitudes cristãs de rebanho e desunirem os verdadeiros ideais dentro da cena! Por isso trazemos em nossos hinos verdadeiros rituais para destruição de tudo que possa estar no caminho do nosso oculto ideal e do verdadeiro Metal Negro. Evolução e força para nosso real exército!!

2: No Brasil manter uma formação de membros em uma horda é muito difícil. Como a horda está em relação a isto?
V. A. Necrovisceral - Realmente é um grande problema manter a formação. Não via a Torqverem como uma horda, em seu início tinha a visão de apenas fazer gravações sozinho. Após conhecer alguns guerreiros em Porto Alegre que tocaram ao vivo comigo, abri um pouco  a visão para a  possível apresentação dos meus ideais em celebrações e dividir a criação com outros irmãos. Mas é muito complicado combinar as idéias com outra pessoa e dividir uma horda... Não é qualquer coisa ou uma simples banda, é um verdadeiro ritual! Então foi apenas em 2007 que fixei o primeiro membro (Janvs Necrokramer) na bateria, e logo em seguida Covnt Noctvlivs no contrabaixo... As histórias de como os dois entraram na horda foram bem inesperadas. Na verdade tudo aconteceu e se mantém sem eu ter pensado muito, as coisas fluíram e espero que se mantenham assim.

3: A horda tem uma demo, e como estão os preparativos para um álbum oficial?
V. A. Necrovisceral - Sim, nós lançamos em 2008 e.v. uma demo limitada em 40 cópias experimental intitulada "Funeral da Alma Cristã"... Foi o primeiro material "lançado" pela Torqverem. Tenho outras gravações mais antigas, mas ficaram apenas com os mais próximos (ou nem isso, pretendo com o tempo lançar como material bônus em futuras gravações - São arquivos pessoais)... Existem dois artefatos previstos para 2010 e.v., um para antes da metade do ano que é a promo "Opvs Infernii", para finalmente todos os guerreiros poderem conhecer como é a Torqverem, e será equivalente a uma "demo oficial". E o nosso álbum completo "Vber Crvciatvs" com 11 faixas (já gravado e masterizado desde 2009 e.v.) está previsto para depois da metade do ano.

4: Você também organiza eventos. Quais dificuldades vem tendo pra que os festivais sejam organizados?
- V. A. Necrovisceral: A maior dificuldade nem seria pesada se pelo menos existisse união e apoio  em tais empreitadas. Mas posso com segurança dizer que encontrei valiosos aliados e guerreiros "comprando" essa guerra de organizar eventos e celebrações. Mas minha indignação com isso tudo continua! Porque mesmo organizando e arcando com todas as responsabilidades dos eventos, enxergava que alguns seres que não têm mais o que fazer da vida sempre estão tentando atrapalhar colocando pedras no caminho de quem realmente produz e trabalha pela cena do metal negro. Cheguei a fazer várias celebrações e eventos, trouxe hordas que ouvia há muito tempo e não acreditava ver um dia na minha frente por serem distantes (como o próprio Defacer, Malkuth ou o Calvary Death). Vejo muita desunião por razões pessoais ridículas! Ou criamos uma consciência identificando as células cancerígenas infiltradas ou vamos continuar segregados e desunidos! Estamos apontando para fora, mas existem traidores dentro do nosso próprio exército que pensam apenas em si mesmos e na destruição dos verdadeiros ideais!!! Cheguei a ter um dos meus cartazes publicados em um falso "site cristão", e a divulgação dessa página foi feita por "Black Metals" apenas, e não pelos cristãos do site! Como isso é possível??? Existe uma conivência leprosa! Tinham sigilos demoníacos no cartaz! Então como que um pau no cu me perde tempo para ir atrás disso e armar um teatro infantil desses? Porque não pega um cartaz de uma celebração e passa pra frente e ajuda a divulgar? Ou trabalha de bilheteiro no dia? Onde está a ajuda???? Seres como esses deveriam estar com os crentes fazendo suas tramóias das pendências sexuais e morais que possuem, afagando seus sujos egos. Continuo nessa guerra de apoiar os eventos por meus próprios ideais e pelos poucos irmãos que ainda considero.

5: Sei que você tem alguns problemas por causa de fofocas e intrigas de pessoas que não têm o que fazer. O que tem a relatar sobre isso?
- V. A. Necrovisceral: Acredito que todos que se envolvem com a "cena" de alguma forma passam por isso. Ou é cristão, nazista, tem chulé, ouviu Xuxa, o pai é veado... Mas aprendi muito com esses ataques. Como em nenhum dos casos em que sofri "fofoca", a história tinha nexo, vi que o ser humano possui uma deficiência enorme com sua firmação perante o meio ou grupo social. Enxerguei que existem pessoas que se mantêm na cena produzindo e agregando mais força, e outras que passam criando problemas dentro dos próprios aliados, criando desunião e acabando por mostrar a falta de capacidade de produzir algo. Mas acima de qualquer coisa repito mais uma vez que isso tudo serve para mostrar quem nesse "rebanho" pode ser um verdadeiro aliado ou não. Pois vejo que metade das pessoas não tomam partido, boa parte segue o fedor da bunda do da frente nessa procissão do "disse que não disse", e uma minoria tenta saber qual é a verdade, que são os que vieram conversar diretamente comigo! E esses eu defendo com a vida por serem meus reais aliados e irmãos. É muito cristão isso de dizer "ele fez isso, ele é isso...." e acreditar sem nenhum pudor. Se a pessoa tem um problema comigo, porque não me diz isso para acabar o assunto? Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, e além de tudo ninguém vem resolver os meus problemas ou pagar as minhas contas. Então muita sorte na vida de quem perde a sua tentando sujar a bunda dos outros com a própria merda.

6: Como está a cena ai em Campinas hoje? Fale-nos um pouco sobre ela.
- V. A. Necrovisceral: Eu deixei de participar da "cena" propriamente dita. Acabei direcionando minhas forças para o que realmente vi que poderia dar frutos... Mas continuo apoiando os irmãos em celebrações e no que posso. Minha meta agora é terminar a produção com a horda e finalmente lançar nosso material (que já aguarda 10 anos desde que iniciei as composições). Acredito que existem "cenas" dentro da cena... E compactuo com um pouco de cada para não perder o apoio, mas sem me envolver muito com nenhuma delas, pois a verdadeira meta está muito longe de se fechar em um grupinho e atacar outro, nossa razão é força! É fazer um exército!!! E por enquanto vejo pouco empenho para tal. Percebi também que quem ainda acredita no metal negro acabou igualmente se reservando e atendo-se em seus círculos. A cena de Campinas acaba por ser forte por se unir muito com todo o interior, São Paulo acaba por criar uma cena não apenas em Campinas ou na capital, mas é unida com Minas Gerais, que agrega com o Paraná... Se for ver já estamos com um irmão da Bahia para ajudar, do Ceará... A idéia é essa. Então vejo tudo como uma coisa só. Como a cena nacional.

7: Irmão, tuas letras versam sobre quais temas? A horda tem feito muitos eventos?
- V. A. Necrovisceral: Como já falei em outras questões, a Torqverem acaba por fazer verdadeiros rituais em seus hinos. Componho as músicas para encaixarem nas letras de tal forma que tudo deve se transformar em uma celebração da destruição! Exalto o obscuro e o inconsciente humano para trazerem uma quebra com os paradigmas atuais. Não recorro muito a livros ou a autores ocultistas para escrever as letras, na verdade me baseio em experiências práticas e metáforas para atingir minhas metas. Falo sobre o abismo humano, entidades energéticas, demonologia, psicologia, história (por recorrer a metáforas mitológicas e idiomas arcaicos nas passagens ritualísticas), e necromancia... Resumindo um pouco sobre as letras: "Trago a fria lâmina que matou seu deus no calvário, aqui não existem mais deuses... Rolaram suas cabeças. Possuo a alma do não-nascido sob a sombra das águas da flor-de-lótus". Sobre as celebrações, nós acabamos por aproveitar algumas oportunidades de celebrações que fomos convidados enquanto ensaiávamos para a gravação do álbum, e participamos de algumas tours com guerreiros de hordas irmãs, foram vários eventos muito rápidos durante o ano de 2009 e.v.. Mas não tínhamos nenhum material gravado, e não conheciam nosso som ainda. Então resolvi parar tudo e cuidar da parte "interna" antes de qualquer coisa. Para depois de conhecerem nosso material participarmos de novo de alguma celebração.

8: Com o passar dos tempos o Black Metal se firmou como um movimento que demonstra que jamais cairá como outros. O que você tem a falar sobre hordas que se vendem par gravadoras e selinhos ralé só pra tocarem na Europa ou terem um álbum editado?
- V. A. Necrovisceral: Acredito que são pessoas que "caíram" no Black Metal, que sentiram seus problemas pessoais "afagados" pela visão anticristã. Mas que poderiam estar tocando qualquer outro estilo musical... Isso que não entendem! Black Metal você nasce... Vem da alma, e não é um "estilo musical", a "música" é uma consequência! Estão procurando apenas aparecer como se fossem qualquer outro. Mas não vou deixar de dizer que existem as bandas que sobem, mas continuam firmes no ideal.

9: Irmão fico nessa, mas antes me fale quais os 5 melhores álbuns de Black Metal pra você nos últimos 20 anos. E o espaço é teu, Hail! 
- V. A. Necrovisceral: Agradeço o espaço para poder expressar um pouco de meu ideal... Precisamos de união e apoio para o Metal Negro no Brasil! Atitudes com a tua são totalmente apoiadas e deveriam ser proliferadas em nossa "cena". Força para quem realmente produz em nosso honrado Metal Negro! É difícil falar sobre os melhores álbuns, mas posso dizer dos que para mim foram mais marcantes quando ouvi pela primeira vez: Mortuary Drape - All the Witches Dance, Immortal - Diabolical Fullmoon Mysticism, Darkthrone - Under a Funeral Moon, Belketre - The Dark Promise e Beherit - Drawing Down the Moon. Se quiserem entrar em contato com a horda ou conhecer mais sobre o projeto passo aqui os sites: www.torqverem.com e www.myspace.com/torqverem